segunda-feira, 13 de abril de 2009

I Was Made For Loving You - KISS

Olá!

Recebemos essa história por e-mail e como foi muuuuito bem escrita e todas nós adoramos KISS mas não tivemos uma representante no show, resolvemos postar.

Moreloca, muito obrigada por nos confiar sua história!!!

-------------------------------------------------------------------------------------------------

I Was Made For Loving You - KISS

“I was made for loving you baby
You were made for loving me

And I can’t get enough of you baby

Can you get enough of me”



Olá Meninas!

Conforme promessa, envio a vocês, minha historinha sobre I was made for loving you da “banda mais quente do mundo: KISS!!!!!!!!!!!!”

Era 16h e meu coração já pulava pela boca. No ônibus, o camarada que era responsável pela excursão, chamava nome a nome para controle da galera.

Ao som dos clássicos do KISS (novidade!) conheci uma figura bacanérrima que me fez companhia ao longo da viagem mais demorada da minha vida (ansiosa?! Imagina...)

Já na quadra do Anhembi, a sensação era fantástica! Até passou por mim a Sabrina Satto com as paniquetes... era fato de que iria gravar algo para o ‘Pânico na TV”.

Enfrentando o calor (graças a São Pedro) que fazia naquela noite, cruzei os dois “paredões” da segurança local e lá estava eu... na Arena Skol – Anhembi.

Às 20h subiu ao palco a banda Dr. Sin, já conhecida no cenário rock and roll nacional, colocando a galera às alturas tocando seu mais famoso hit “Futebol, mulher e rock and roll”.

Finalmente, por volta de 21h35, estende-se uma bandeira enormeeeeeee do KISS no palco e a galera enlouqueceu aos primeiros acordes de “Deuce”.

Era inacreditável eu estar ali após uma espera de dez anos.

Ao som de “Strutter”, segunda música do show, pulava me sentindo pipoca. Minhas pernas e pés já não sentiam mais as dores causadas pelo tamanho do salto das minhas botas (fui bem poser, mas não me pintei).

Depois vieram “Got to Choose” e “Hotter Than Hell”, nas quais me mantive mais calminha (rs).

Na altura de “Nothin’ to Lose” e outras que seguiram posteriormente (“C’mon and Love Me”, “Parasite”, “She”, “Watchin You” e “100.000 Years), me certifiquei de que as músicas realmente seguiriam a fase dos 70’s mesmo (ainda com máscaras). Com muita sinceridade, eu não conhecia 50% dessas músicas.

Ainda embasado no primeiro disco ao vivo, intitulado “Kiss Alive!”, os fãs seguiam cantando fervorosamente os hits “Cold Gin” e “Let Me Go, Rock ‘n Roll” (pros fãs antigos, de carteirinha) até finalmente tocar uma baladinha (adoro!): “Black Diamond” (momento tudo de bom!).

No decorrer desses clássicos, Eric Singer e Tommy Thayer, realizaram dois belíssimos solos (separados, lógico) de bateria e guitarra respectivamente, que só acrescentou emoção a galera. Eu particularmente, apesar de ter achado um bom trabalho, julguei cansativo.

Simmons (que já havia cuspido fogo) continua com a simpatia de sempre, porém, neutro. Já Paul, com os dizeres “We love you” e “I fell good” que seguiram repetitivamente, deu até uma impressão meio “fake” (não precisava exagerar, né Paul?! rs).

Detalhe: Paul Stanley continua exibindo seu corpinho, principalmente de costas (ai que bundinha!). Apesar de meio “cheinho” percebido por meio do colete aberto (ui, que peito cabeludo!), o “meninão” ainda continua em forma.

Por volta das 23h, a primeira parte do show é encerrada com uma chuva de bilhões de papeizinhos ao som de “Rock and Roll All Nite”. Não preciso nem dizer que a arena inteira cantava aos berros e aclamava por mais.

Seguindo a promessa de cantar um BIS somente de clássicos (juro que não ouvi a tal da promessa), a banda sobe novamente ao palco com uma bandeira grande do Brasil, agradecendo o “Kiss Army” – Exército do Kiss - paulistano.

Já conformada de que não iria tocar mesmo “Forever” (que eu amo), fui de cabeça em “Shout it Out Loud” que abriu a fase dos 80’s. Cai a máscara (no álbum) e vem “Lick it Up”, música que teve um pouco de polêmica na época, devido seu álbum. As “criaturas da noite” seguem com “I Love it Loud”, cantada em coro. Como diz a Glória Maria: “É muita emoção!”.

Aproveitando esse momento para exibir efeitos especiais da produção, que não deve ter sido barata, Gene Simmons cuspiu sangue falso (conforme o esperado) e levitou (suspenso por cabos) sob o palco.

Momento fofo do show: começa uns acordes rápidos e o famoso “Do, do, do, do, do, do, do, do, do”, era “I Was Made for Loving You” que eu adoooooooro. Lembrei-me de tudo... dos meus amores, dos meus desafetos, dos meus sucessos e fracassos. Era incrível a galera cantando bem alto, uma vez que na época em que foi lançada, sofreu uma série de preconceitos pelo “Kiss Army” por ser uma “baladinha”. Mal sabiam que futuramente viria “Forever”…

Chega um dos momentos mais esperados: Ao som de “Love Gun”, Paul atravessa de um palco pro outro como se estivesse voando, suportado por cabos, em uma linha reta, como se fosse uma tirolesa. Foi fantástico!!! Stanley, iluminado pelas centenas de flashes dos fotógrafos instantâneos da noite, terminava a música voltando ao palco de origem.

Pirofagias e malabarismos a parte, o KISS encerra seu espetáculo com “Detroit Rock City” que praticamente colocou o Anhembi no chão. Estouram-se fogos coloridos no céu da bela Sampa e a banda se despede.

Ao som de “God Gave Rock ‘n Roll To You” (ambiente), fui embora com uma confusão de sentimentos inexplicáveis para o momento. Felicidade, insatisfação, raiva, satisfação, frustração e emoção, além da pergunta que não queria calar: Será que ainda terei a oportunidade de vê-los novamente?

Apesar de prós e contras só tenho a dizer que VALEU A PENA!

Chegamos esgotados. O próximo passo era... “dormir, pro dia nascer feliz...”.

Clique para conhecer a Letra

Clique para conhecer o Clipe (que apesar de brega e do Paul estar meio “bicha”, eu adooooro).

Beijos.

Moreloca

6 comentários:

iaiá disse...

ai invejinha branca!
amo kiss..e principalmente a dos anos 70! rsss

adorei a participação especial...

bj

Moreloca disse...

Meninasssss, uhu! Contentamento! :)

Obrigada por terem postado minha historinha...rs

Peninha que vocês não foram... Quem sabe numa próxima?!

A promessa de shows no Brasil esse ano está bem vasta, não só no cenário Rock and Roll como em outras musicalidades. No próximo, juro que convido vocês!

Valeu pela oportunidade!

Beijocas

Moreloca

Lee Holloway disse...

Moreloca,

Muito obrigada pelo texto, ficou a cara do blog porque a gente gosta de gente apaixonada pelas músicas. E esperar anos pra ver uma banda que você ama é um tipo de tortura, mas quando acontece é êxtase (ui!) puro.

Beijinho!

Dr. Cohen disse...

Nossa, muito bem escrito o texto! O blog, como sempre, de parabéns.

E, de fato, a Sabrina gravou uma matéria rs Vi domingo no Pânico e me mijei de rir rs

Beijos!

Dra. Morticia disse...

Moreloca, eu que agradeço pro ter compartilhado sua história conosco!
Ai que delícia deve ter sido esse show, com o seu relato, mais o de duas amigas q tb foram eu babei a semana toda =P

Na próxima estarei lá e espero que role a Beth tb ^^

Que vc possa ver + e + shows fantásticos como esse Moreloca!

Razorblade Kisses!

Sócias da Biblio disse...

Fui no show no Rio, mas caiu o mundo lá e eles não voaram. Foi uma pena, pois o Paul ia voar bem em cima de mim!! Mas a chuva acrescentou um toque emocionante ao show.
Melhor show que fui, eles são realmente the hottest band in the world!