quinta-feira, 26 de março de 2009

Limp Bizkit - My Way


“This time I'm 'a let it all come out
This time I'm 'a stand up and shout
I'm 'a do things my way
It's my way
My way, or the highway”


Foi difícil escolher apenas uma música para o post de hoje.
Nessa semana resgatei tantas músicas que já significavam muito para mim, e hoje ganharam novos sentidos.
Então decidi enfiar o pé na jaca (ovelha negra – mode on) e falar de uma música que é de uma banda desprezada por muitos, principalmente por roqueiros que odiavam a fase de ouro do “new metal”!

A voz do Fred Durst me irrita, mesmo assim, adoro o Limp Bizkit! (Vai entender!)
Minha fúria juvenil não seria nada sem os “fuck off’s” do Limp.
My Way fala sobre bater de frente com aquilo que impede seu avanço.
De não se calar, de agir, gritar!

Com 15 anos, vítima de Bullying desde a infância, ouvir alguém falando que não vai mais aceitar as coisas como estão, é inspirador! Para mim foi!
Sou diferente das garotas por ai, sou nerd sim, e daí? Não sou tão inteligente, sou esforçada! Porque era zoada por isso? Era mais fácil me criticar do que se esforçar para ser tão bom quanto eu?
Já fui mais gordinha, agora estou me esforçando (com sucesso, uhu) para emagrecer, não para ser a Gisele Bündchen, mas para olhar no espelho e gostar de mim! E eu não sou bonita como uma modelo, mas tenho o meu charme.

Levei muito tempo para aceitar tudo isso. Para me encontrar, porque sempre diziam que eu não era capaz, que eu não passava de um nada, que era feia e que não conseguiria mudar nada disso.
Demorei, mas um dia eu disse: “Hey stupid! I'm gonna do things my way!”

Algumas pressões juvenis voltaram a me perseguir, porque há pessoas que se recusam a amadurecer, “they never know where they're gonna go”, um foda-se sonoramente “gentil” para esses “pseudos” cools!

Letra , vídeo da música e um VIVA pq o Limp Bizkit acabou de voltar, com seu guitarrista original, meu amado, estranho e bizarro Wes Borland!

Esse post poderia ser duplo, pq a Take a Look Around tb “tocou” muito nessa semana, se quiserem conferir, eis a letra: Limp Bizkit – Take A Look Around.


Razorblade Kisses

segunda-feira, 16 de março de 2009

Everybody plays the fool - Aaron Neville



"Fallin' in love is such an easy thing to do
But there's no guarantee that the one you love, is gonna love you
Oh, loving eyes they cannot see a certain person could never be
Love runs deeper than any ocean, it clouds you're mind with emotion
Everybody plays the fool, sometime
There's no exception to the rule..."


Não escolhi essa música por ser a música da minha vida, nem por estar entre as 5 favoritas, escolhi pelo simples fato dela ser o LEMA da minha vida, evah!!!

A letra da música já diz tudo, acho que não é aberta a interpretações, mas ela se encaixa perfeitamente em vários casos da minha vida. Não sei quanto a vocês, mas eu já me senti uma idiota várias vezes, seja quando eu penso que achei o cara certo (e lógico que eu estava errada, de novo!!!!!!), seja quando eu me engano sobre esse cara ou me apaixono por alguém que não liga a mínima para mim. Isso acontece repetidamente por isso nada melhor do que saber
"Everybody plays the fool, sometime, there's no exception to the rule"
Não que seja egoísmo da minha parte, mas pelo menos acho que eu não sou a única a me sentir uma "tola". Pensando assim as coisas melhoram e eu parto para outra... e assim eu levo a vida.
Desiludida?? Muitas vezes. Mas nada que me obrigue a ficar chorando pelos cantos achando que a vida não presta (mode Léo Jaime on)*, afinal não sou dessas.

"It may be factual it may be cruel, I ain't lying,
Everybody plays the fool"


Como vocês irão perceber daqui pra frente, eu sou considerada a "ovelha negra" daqui. Meu gosto musical é um tanto quanto esquisito, mas eu adoooooro.
(* lado brega se manifestando - Trash anos 80 u-huuuu)

Para ver toda a letra clique aqui
Youtube tem algo contra meu gosto musical - não há clipe desta música (desta versão) - sorry...fico devendo

quinta-feira, 12 de março de 2009

3 libras – A Perfect Circle

"But I threw you the obvious
Just to see if there's more behind the
Eyes of a fallen angel,
Eyes of a tragedy."


Sei que, sendo esse meu primeiro post, eu deveria escrever algo que fizesse as pessoas se identificarem comigo e pensarem “Ah, ela também gosta desta música!”, mas tenho problemas graves, dificilmente consigo gostar de alguma música famosa, ou que a maioria das pessoas vá gostar, e esse é o caso do post em questão.

Resolvi postá-la porque é essa a música da minha vida, por mais que eu escute outras músicas, outras bandas, outros estilos, é essa que eu me recordo nos momentos mais críticos ou mesmo nos mais alegres, é essa que está frequentemente batendo na minha cabeça e quase implorando para ser ouvida.

A primeira impressão que tive dela foi em um momento difícil, tinha acabado de ser ligeiramente “chutada” e só consegui chorar quando comecei a ouvi-lá, lembro direitinho da cena e da minha impressão, cega de tantas lagrimas caindo só conseguia pensar em como o mundo não podia ser mais triste. E não era, não para mim, o A Perfect conseguiu me fazer sentir o mais triste possível e era isso que eu queria, ficar triste, beeem triste.

Não quero dizer que seja uma música triste e fazer má propaganda da coitadinha, mesmo por que já consegui o oposto também, ser a pessoa mais feliz do mundo estando com essa música na cabeça, só quero dizer que é só com ela que eu consigo sentir o que eu devo sentir, ser sincera comigo mesma, seja feliz ou triste, e com certeza voltarei a falar do APC mais pra frente, por que além de “3 libras” ser a música da minha vida, APC é a banda da minha vida e o Maynard... a fantasia da minha vida (Lee cheia de fetiches mode on).

Música clique aqui
Letra clique aqui (sim, ela fala de um rapaz que se apaixona por uma prostituta... mas como disse a Lee anteriormente, as interpretações podem variar)

quinta-feira, 5 de março de 2009

Pet Sematary - Ramones


“The moon is full, the air is still,
All of a sudden I feel a chill,

Victor is grinning, flesh rotting away,

Skeletons dance, I curse this day,

And the night when the wolves cry out,

Listen close and YOU CAN HEAR ME SHOUT.”



Irmão mais velho: - Morticia, tem uma banda chamada Romenos?
Morticia: - Romenos?
Irmão mais velho: - É! Romenos... ou seria Romanos?
Morticia: Tá querendo dizer Ramones?
Irmão mais velho: - Isso! Ramones!
Morticia: KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!
Irmão mais velho: - Tava passando uma matéria deles na televisão...
Morticia: KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!! ROMANOS KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!
Irmão mais velho: - Já morreu todo mundo da banda, né?
Morticia: KKKKKKKKKKKKKKKKKK! Não! KKKKKKKKK! O baterista ainda tá vivo! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK! ROMENOS!!!! Ai meu Deus!! KKKKK...


O diálogo acima proporcionado pelo meu irmão, me fez recordar que o Ramones foi uma das primeiras bandas que curti na vida!
Trouxe lembranças remotas de minha infância, como assistir os clipes da “Pet Sematary" e da “Poison Heart” no ClipTrip da TV Gazeta! (Lembram?)

Não conheço toda obra deles, mas tenho um puta carinho e admiração pela banda!
E vocês, quais bandas “introduziram” vocês musicalmente?

Pet Sematary vídeo e letra!


Razorblade Kisses, Morticia.

domingo, 1 de março de 2009

When It Started - Strokes


E é aqui que tudo começa. Como diria Ricky Wilson, vocalista do Kaiser Chiefs: "when the heat dies down" (aqui). Cinco amigas, com gostos musicais tão diferentes quanto suas personalidades e que, justamente por isso, se entendem perfeitamente. Cinco amigas que, num desses fins de semana, saíram para fazer coisas que nunca fazem, como beber, por exemplo, e decidiram organizar um blog em que suas experiências musicais (sim, pois as "experiências musicais" de cada uma aqui chegam a ser até mais viscerais do que as sexuais) seriam abordadas, analisadas, digeridas – tanto por elas quanto por vocês, que passarão a nos ler e que, com certeza, também têm muito o que compartilhar conosco.

Num microfone improvisado, e já com a dose obrigatória de Sagatiba na cabeça, ela (uma de nós, e que fique claro que NÃO fui eu) cantou. A música era Maps do Yeah! Yeah! Yeahs! (aqui). Todas as outras 4 acompanharam (como haviam feito desde o momento em que entraram no carro, já que uma de nós estava com "TOC Musical" desta música no dia). Em alguns segundos, todo o bar acompanhava nas palminhas de bêbado. E então tudo aquilo fazia sentido. A amizade, a música, os bêbados acompanhando, a Dra. Lee tocando feito um pandeiro o suporte de guardanapo, a Dra. Keenan fazendo o contralto, a Dra. Adams levantando a mãozinha e puxando a galera, a Dra. Bennet ouvindo a música pelo iPod, porque ela é destas que gostam de perfeição e não de gente bêbada cantando em bar.

Até que um dos bêbados, num rompante de tietagem, gritou lá do fundo: "Toca uma para mim, vai!". E surgimos nós!
Agora, um pouco de cada um dos elementos da banda:
LIZZY BENNET: não sou muito fã de nenhuma banda em especial, gosto das músicas (e principalmente das vozes), sou de fases e tudo depende do humor.
Minha fase Menudo - já passou há muito tempo.
Fase baladeira - também passou, mas algumas músicas marcaram.
Pessoas não confiam no meu gosto musical - talvez porque eu ouça estilos diferentes; eu diria que sou eclética. Farei um pout pourri para não esquecer nenhuma das músicas preferidas.
Fase nostalgia - citarei porque realmente não se acha vídeos na internet (Lizzie muito brava) - "It had to be you" do Frank Sinatra e "The more I see you" de Nat King Kole.
Fase romântica - Marvin Gaye, lógico!!!! Clássico (aqui)! Quem nunca deu uns amassos com essa música??
Fase italiana - Biagio Antonacci - e a musica é "Che differenza c'è". (veja aqui, vale a pena, ele é lindo!). Qual é a diferença de amar e se machucar?? Adouro!!! Porque sou dessas, romântica.
Fase brega - sim, por que não?? Mas essa toco para vocês mais tarde.
MAY KEENAN
: totalmente viciada em muitas coisas coisas que emitam algum ruído de qualidade, qualquer coisa como uma britadeira, um Heaven Shall Burn (aqui), um barulhinho básico de construção, um James Blunt (aqui) ou meu namorado gemendo (hahahah) faz de mim uma mocinha musical .
Já tentei ser uma star como a Annie (aqui), até mesmo religiosa demais como a Judith (aqui), e por que não evil como a Rosemarie (aqui). Já dancei feito louca (nem um pouco sexy) como o Michael (aqui), já fiz um diário como a Jane (aqui), tentei virar feiticeira (aqui), já odiei algum Joel (aqui), tentei voltar para casa como Jimmy (aqui). Posso valer 3 Libras (aqui) quando necessário (não porque a música fala basicamente de um rapaz que se apaixona por uma prostituta que vale 3 libras) e viver 10.000 days (aqui), mas no final das contas sou um "Mer de Noms" e não vivo um minuto da minha vida sem ter uma música para cantarolar dentro da minha cabeça.
MORTICIA ADAMS
: gosto tanto de música que com poucos meses de idade me “arrastei” de costas até bater com a cabeça em um rádio que tocava música clássica na cabeceira da cama. Ali se iniciou a minha dependência musical. De metal a brega, de indie a trash music, minha necessidade musical aumenta a cada dia. Seja por artistas de terras longínquas como finlandeses loucos com penas na cabeça (aqui) e libertinos “românticos” (aqui); seja por artistas brazucas cariocas pós-modernos (aqui) ou beatlemaníacos gaúchos (aqui); mas sempre fugindo desesperadamente de funk, axé e afins, é claro! Conhecerão a mim e aos meus gostos com o tempo, por ora é só e “Nada mais importa” (aqui), como diria meu mentor James Hetfield!
*****
Feitas as devidas apresentações, devo dizer que não temos nenhuma pretensão de fazer crítica musical, pois não temos autoridade para isso. Aqui, vamos contar as histórias das músicas nas nossas vidas, cada uma de seu jeito, sem uma fórmula específica. Quem se sentir à vontade pode nos enviar também sua história, com alguma música inesquecível. Adoramos essas coisas!
Não sabemos exatamente como fazer as devidas referências de bandas, cantores, personalidades... Então linkamos no meio do texto. Quem tiver um jeito mais legal, por favor, pode sugerir. Somos destas que estão com um monte de idéias na cabeça. E queremos mais!
As postagens serão às segundas e quintas. Uma vez de cada, numa ordem aleatória.
Tickets for sale!!!!!
Caso queiram uma das músicas citadas ou falar sobre qualquer referência, os comments também estarão sempre abertos (ui, delícia!).
E como diriam os Beatles: "We hope you have enjoyed the show!"
... e toca "Walk Away" do Franz Ferdinand ao fundo (AMO este clipe! AMO!). Mas só por hoje! Quinta tem mais!